INTELIGÊNCIA COMPETITIVA COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO EMPRESARIAL: estudo em uma empresa de comércio de produtos veterinários

Rodrigo Bianchini Christo, Aleixina Maria Andalecio

Resumo


O objetivo deste estudo consistiu em descrever e analisar os efeitos do processo da inteligência competitiva na estratégia em uma empresa de comércio de produtos veterinários localizada em Belo Horizonte/MG. Foi realizado um estudo de caso de abordagem qualitativa e finalidade descritiva, utilizando entrevista semiestruturada para coleta de dados junto a cinco gestores e um gerente de projeto terceirizado. Os dados foram analisados utilizando a técnica de análise de conteúdo. No planejamento da implantação da inteligência competitiva na empresa, foi preciso levantar informações de todos os departamentos da empresa, de concorrentes, público alvo, logística, marca, imagem, oportunidades, ameaças, em seguida tais informações foram compiladas e analisadas. A implantação de inteligência competitiva facilitou os processos administrativos, tornando-os mais eficientes e menos burocráticos. As mudanças foram consideradas como positivas, uma vez que permitiram a melhoria do ambiente, no aspecto do trabalho em equipe, a partir da valorização dos funcionários por parte da empresa. Os resultados indicaram que houve evolução no planejamento estratégico financeiro, que ficou mais eficaz. Há evidências de que, após a implantação da Inteligência Competitiva, a empresa tornou-se mais competitiva em relação aos concorrentes no mercado em que atua, possibilitando maior aceitação de seus produtos no mercado.

 


Palavras-chave


Inteligência Competitiva; Planejamento Estratégico; Competitividade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. J. R. Ética e desempenho Social das organizações: um modelo teórico de análise dos fatores Culturais e contextuais. Revista de Administração Contemporânea, v. 11, n. 3, p. 105-125. jul./set. 2007.

BARBIERI, C. BI2 - Business Intelligence: modelagem e qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BROOKES, B. C. The foundations of Information Science. Part I. Philosophical aspects. Journal of Information Science, v.2, p. 125-133, maio 1980.

CAPANEMA, L. X. L.; VELASCO, L. O. M.; SOUZA, J. O. B.; NOGUTI, M. B.

Panorama da Indústria Farmacêutica Veterinária. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 25, 2007. Disponível em: . Acesso em 11 abr. 2015.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 10 ed. São Paulo: Paz e Terra. 2007.

CASAROTTO, N. F. Projeto de negócio. Editora Atlas, 2002.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DIAS, M. N. R. Business Intelligence aplicada à Gestão Comercial: Rangel Expresso, SA. 2010. 68 f. (Dissertação de Mestrado Integrado em Engenharia Industrial e Gestão). Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Porto. 2010.

FERREIRA, A. M. Inteligência competitiva e cooperação em arranjo produtivo local de software da RMBH. 2013. 78f. Dissertação (Mestrado Profissional em Sistemas de Informação e Gestão do conhecimento) - Universidade FUMEC, Belo Horizonte. 2013.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Nova Fronteira, 2014.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FONSECA, V. S; MACHADO-DA-SILVA, C. L. Conversação entre abordagens da estratégia em organizações: escolha estratégica, cognição e instituição. Revista de administração contemporânea. Curitiba , v. 14, n. spe, p. 51-75, Set. 2010 . Disponível em:. Acesso em: 16 Jul. 2015.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 3 ed. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M.; GASKELL, G. (orgs). Pesquisa qualitativa com imagem, texto e som: um manual prático. Tradução de Pedrio Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2010.

GRUPO DE ESTUDOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E APOIO À DECISÃO – GESID. 1999. Disponível em: . Acesso em 20 jun. 2014.

GILAD, B. E. Warning: using competitive intelligence to anticipate market shifts, control risks and create powerful strategies. New York: AMACOM, 2003.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresa - RAE, v. 35, n. 2, p. 57-63, Jul./Ago. 2005.

GUERREIRO, R. Modelo conceitual de sistema de informação de gestão econômica: uma contribuição à teoria da comunicação da contabilidade.1989. 200 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, Departamento de Contabilidade e Atuária, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. 1989.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

HUGHES, D. E; LE BON, J; RAPP, A. Gaining and leveraging customer-based competitive intelligence: the pivotal role of social capital and salesperson adaptive selling skills. Journal of the Academy of Marketing Science. Vol. 41 (1), p. 91-110. 20 p, jan. 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa nacional de amostra de domicílios contínua 2012-2013. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2014.

JAMIL, G. L. Repensando a tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil, 2001.

KAHANER, L. Competitive Intelligence. New York: Simon e Schuster, 1996.

KOTTER, J. P. Liderando Mudança. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

LINS, C.; WAJNBERG, D. Sustentabilidade corporativa no setor financeiro brasileiro. Rio de Janeiro, 2007.

MACHADO, L. E. Gestão estratégica para instituições de ensino superior privadas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

MARCIAL, E. Inteligência competitiva e o mercado de capitais. 1999. Disponível em: Acesso em: 12 jul. 2014.

MARCIAL, E. C. Utilização de modelo multivariado para identificação dos elementos-chave que compõem sistemas de inteligência competitiva. 2007. 163 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. O processo da estratégia. 3. ed. Tradução James Sunderland Cook. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MORACIS, E. F. C. (coord.). Inteligência competitiva: estratégias para pequenas empresas. Brasília: GH Comunicação Gráfica Ltda, 1999.

MORESI, E. A. D. O contexto organizacional. In: TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília - DF: Editora UnB, 2001. p. 59-91.

MOTTA, P. R. Dimensões gerenciais do planejamento organizacional estratégico. Revista de Administração Pública. v. 10, n. 2, p. 85, 1976.

MOTTA, P. R. A ciência e a arte de ser dirigente. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 1995.

PASSOS, A. Primeiros passos em inteligência competitiva. Série SCIP Brazil Chapter-ESPM sobre Inteligência Competitiva. Fascículo 1. São Paulo: SCIP, 2005. Disponível em: . Acesso: 11 mar. 2013.

PAULI, S. Correspondência entre usuários e funcionalidades de BI: a influência da personalidade e dos estilos cognitivos. 2012. 200 f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

PORTAL BRASIL. Indústria farmacêutica. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2014.

QUEYRAS, J.; QUONIAM, L. Inteligência competitiva. In: TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência, informação e conhecimento. Brasília: IBICT; UNESCO, 2006. p. 73-98.

RANDALL, R.; CASSELS, L. As vantagens da formulação de políticas organizacionais. In: Planejamento estratégico: formulação, implantação e controle. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

RODRIGUES, L. C; RISCAROLLI, V; ALMEIDA, M. I. R. Inteligência competitiva no Brasil: um panorama do status e função organizacional. Revista Inteligência Competitiva, São Paulo, v. 1, n.1, p. 63-85, abr./jun. 2011.

SACCOL, A. I. C. Z. Alinhamento estratégico da utilização da internet e do comércio eletrônico: os casos Magazine Luiza e Fleury. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba ,v. 9,n. 2, p. 59-80, Jun. 2005 . Disponível em:. Acesso em: 25 jun. 2015.

SANTOS, L. W.; ICHIKAWA, E. Y.; CUNHA, C. J. C. A. Estratégias organizacionais na trajetória da EMPASC. Revista da Administração Contemporânea, Curitiba, v. 4, n. 3, p. 155-176, set./dez. 2000.

SANTOS, N. Inteligência competitiva. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. 2007. Disciplina do Núcleo de Inteligência Competitiva do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2014.

SEBRAE SP. Disponível em: . Acesso em: 01 mai. 2015.

SETZER, V. W. Dado, informação, conhecimento e competência. DataGramaZero Revista de Ciência da Informação, n. 0, dez. 1999.

VALENTIM, M. L. P. Informação e conhecimento em organizações complexas. In: (Org.). Gestão da informação e do conhecimento no âmbito da Ciência da Informação. São Paulo: Polis: Cultura Acadêmica, p.11-25. 2008.

WHITTINGTON, R. O que é estratégia. São Paulo: Thomson, 2002.

ZACARELLI, S. B. Estratégia moderna nas empresas. São Paulo: Zarco, 1996.




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v6i2.154

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesCRASPDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período