GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ANÁLISE DA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DE INTELIGÊNCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PRIVADA

Frederico Vidigal, Fabricio Ziviani

Resumo


privada no Brasil, que vem passando por modificações importantes após o crescimento originado da modificação na legislação brasileira. O setor é marcado pela concorrência acirrada entre as instituições de ensino, em sua maioria, incorporadas por grupos empresariais de grande porte que vêm movimentando o setor educacional nos últimos anos. Como problema de pesquisa, detectou-se uma lacuna no conhecimento acerca da temática, se considerada a abordagem empírica e a descrição de métodos e práticas típicas e estrutura de organizações adotantes de inteligência competitiva. Metodologicamente, o estudo contemplou uma pesquisa qualitativa e descritiva que utilizou-se de um roteiro semiestruturado de entrevista com profissionais responsáveis pela atividade. O método escolhido permitiu um maior detalhamento e aprofundamento dos dados extraídos in loco. Como resultados, verificou-se que a instituição ainda não possui uma estrutura oficial de inteligência o que não impede de aplicá-la, fazendo uso de processos peculiares de ambientes altamente competitivos. Concluiu-se que empresa estudada, monitora seu ambiente de forma cíclica utilizando-se de fontes de informação internas e externas com destaque para os objetivos estratégicos e mercadológicos alinhados com o mapeamento de movimentos de instituições tidas como rivais, monitorando de forma sistemática produtos, fluxos de matrículas e precificação da concorrência com ou sem o uso de softwares de informação.


Palavras-chave


Inteligência Competitiva; competitividade; ensino superior privado

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAIC. Associação Brasileira de Inteligência Competitiva. Inteligência Competitiva. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2008.

AGUILAR, F.J. Scanning the business environment. New York: The Macmillan Company, 1967.

BATTAGLIA, M. da G. B. A Inteligência Competitiva modelando o Sistema de Informação de Clientes. FINEP. Chi. Inf. [online]. 1999, vol.28, n.2, pp. 200-214. ISSN 0100-1965. DOI: 10.1590/S0100-19651999000200012.

CALDERON, A. I. Universidades mercantis: a institucionalização do mercado universitário em questão. São Paulo em Perspectiva. [online]. 2000, vol.14, n.1, pp. 61-72. ISSN 1806-9452. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000100007.

CHOO, C. W. A Information Management for the intelligent organization: the art of scanning the environment. The art of scanning the environment. Medfort, New Jersey: Information Today, 1998, 2rd edition.

DALCOL, C. C.; SILUK, J. C. M.; NEUENFELDT JÚNIOR, L.; SOLIMAN, M. Mensuração da competitividade em instituições de Ensino Superior Privadas com base nas redes sociais digitais.Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. esp., p. 96-108, 2014.

DILL, W. R. Environment as an influence on managerial autonomy. Administrative Science Quarterly, v. 11, n. 1, p. 409-443, 1958.

FERNANDEZ, M.J. Inteligência competitiva e mudança organizacional: uma validação de modelo de grupo industrial. Universidade Regional de Blumenau, 2004.

FLICK, U. Entrevista episódica. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

GILAD, B. Early Warning: Using competitive intelligence to anticipate market shifts, control risks and create powerful strategies. New York: AMACOM, 2003.

KASSLER, H. Recursos de informação para a inteligência. In: MILLER, Jerry P. O Milênio da Inteligência Competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002.

MARIN, Jane; POULTER, Alan. Dissemination of Competitive Intelligence. Journal of Information Science, 2004. Disponível em .Acesso em 30 de novembro de 2010.

MORESI, E.A.D. Monitoramento ambiental. In: TARAPANOFF, Kira (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001. p. 93-109.

PRESCOTT, John E.; MILLER, Stephen H. Inteligência Competitiva na Prática. Tradução: Alexandre Feitosa Rosas. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 2002.

QUEIROZ, M. I. P. Relatos orais: do "indizível" ao "dizível". In: VON SIMSON, O. M. (org. e intr.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, Enciclopédia Aberta de Ciências Sociais, v.5, 1988. p. 68-80.

ROEDEL, D. Estratégia e inteligência competitiva. In: MILLER, Jerry P. O Milênio da Inteligência Competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002

SARTORI, R. V. Instrumento de gerenciamento de reputação nas redes sociais online como suporte ao processo de gestão da inovação tecnológica. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2012.

TACHIZAWA, T.; ANDRADE, R.O. Gestão de instituições de ensino. São Paulo, Editora Fundação Getúlio Vargas, 1999.

VIDIGAL, Frederico; NASSIF, Mônica Erichsen. Inteligência Competitiva: metodologias aplicadas em empresas brasileiras. Informação & Informação, [S.l.], v. 17, n. 1, p. 93-119, jul. 2012. ISSN 1981-8920. Disponível em: . Acesso em: 03 Jul. 2015. doi:10.5433/1981-8920.2012v17n1p93




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v6i3.178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesCRASPDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período