MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA SOBRE APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO NA BASE SPELL

Mayara Pires Zanotto, Juliano Uecker de Lima, Diego Luís Bertollo, Adrieli Pereira Radaeli, Fabiano Larentis, Eric Henry Charles Dorion

Resumo


Aprendizagem organizacional é vista como baseada em rotina, dependente de histórias e orientada para um resultado. Organizações são vistas como aprendizado por meio de inferências que codificam da história para rotinas que guiam o comportamento. Diante desta perspectiva, este estudo procurou mapear a produção cientifica brasileira sobre aprendizagem organizacional na base de dados Spell, publicados a partir do ano de 2000. Para tanto, realizou-se uma pesquisa quali-quantitativa, com finalidade exploratório-descritiva. Adotou-se como procedimento técnico pesquisa documental e levantamento operacionalizado através de análise bibliométrica. Dos 93 artigos analisados, 91 deles trabalham com a perspectiva da Aprendizagem Organizacional, enquanto 2 artigos posicionam-se na corrente da Desaprendizagem Organizacional. Existe uma ascensão de publicação a partir de 2011, predominância de publicações com dois autores e em revistas de Qualis elevado.

Palavras-chave:  Aprendizagem. Aprendizagem organizacional. Bibliometria. Spell.


Palavras-chave


Aprendizagem; Aprendizagem organizacional; Bibliometria; Spell.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun., 2006.

ARGYRIS, C.; SCHÖN, D. A. Organizational learning: A theory of action perspective. Reading, MA: Addison-Wesley, 1978.

BASTOS, A. V. B.; GONDIM, S. M. G.; LOIOLA, E. Aprendizagem organizacional versus organizações que aprendem: características e desafios que cercam essas duas abordagens de pesquisa. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, v. 39, n. 3, 2004.

BUFREM, L.; PRATES, Y. O saber científico registrado e as práticas de mensuração da informação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. 9-25, 2005.

CAPES. Classificação da produção intelectual. Disponível em: < http://www.capes.gov.br/avaliacao/instrumentos-de-apoio/classificacao-da-producao-intelectual>. Acesso em: 22 jan. 2016.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia para alunos de graduação e pós-graduação. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CYERT, Richard M; MARCH, James G. A behavioral theory of the firm. Englewood Cliffs, NJ, v. 2, 1963.

DIXON, N. The organizational learning cycle. New York: McGraw-Hill, 1994.

DUNCAN, R. B. Modifications in decision structure in adapting to the environment: Some implications for organizational learning. Decision Sciences, 705-725, 1974.

DUNCAN, R. B.; WEISS, A. Organizational learning: Implications for organizational design. In B. Staw (Ed.), Research in organizational behavior (pp. 75-123). Greenwich, CT: JAI Press, 1979.

FIOL, C. Marlene; LYLES, Marjorie A. Organizational learning. Academy of management review, v. 10, n. 4, p. 803-813, 1985.

FONSECA, E. N. Bibliometria: teoria e prática. Editora Cultrix, 1986.

GARVIN, D. Building a Learning Organization. Harvard Business Review, [S. l.], p. 78-91, July/Aug., 1998.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HAYASHI, M. C. P. I. et al. Um estudo bibliométrico da produção científica sobre a educação jesuítica no Brasil colonial. Biblios: Revista electrónica de bibliotecología, archivología y museología, n. 27, p. 1, 2007.

JELINEK, M. Institutionalizing innovations: A study of organizational learning systems. New York: Praeger 1979.

KOLB, D. et al. Experiential learning. New Jersey: Prentice-Hall Englewood Cliffs, 1984.

MILES, R. E.; SNOW, C. C. Organizational strategy, structure and process. New York: McGraw-Hill, 1978.

MILLER, D.; FRIESEN, P. H. Momentum and revolution in organization adaptation. Academy of Management Journal, v.23, p.591-614, 1980.

SENGE, P. M. The art and practice of the learning organization. New York: Doubleday, 1990.

SENGUPTA, I. N. Bibliometrics, informetrics, scientometrics and librametrics: an overview. Libri, v. 42, n. 2, p. 99-135, 1992.

SHRIVASTAVA, P. A typology of organizational learning systems. Journal of Management Studies, v. 20, n. 1, p. 7-28, 1983.

SHRIVASTAVA, P. Strategic decision making process: The influence of organizational learning and experience. Tese de Doutorado. University of Pittsburgh, Pittsburgh, 1981.

SPELL. Scientific Periodicals Eletronic Library. Disponível em: < http://www.spell.org.br/#>. Acesso em: 2 fev. 2016.

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p. 152-162, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.24883%2Fric.v7i1.210

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: senioreditorial@inteligenciacompetitivarev.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU   ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN  l  EventosANPAD  l   NormasABNT

 

Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período: