INOVAÇÃO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA INDÚSTRIA: UMA ABORDAGEM TEÓRICA

Paula Patricia Ganzer, Uiliam Hahn Biegelmeyer, Mirian Oliveira, Maria Emilia Camargo, Pelayo Munhoz Olea

Resumo


A inovação e a inteligência competitiva (IC) são construtos relacionados e que são comumente utilizados na busca de diferenciação no mercado, sendo assim, a indústria protagoniza o uso das abordagens em seu contexto de mercado. O objetivo da pesquisa foi relacionar as abordagens dos artigos selecionados a fim de comparar as semelhanças e discrepâncias entre constructos teóricos envolvendo inovação e inteligência competitiva na indústria. A partir da definição das abordagens, o método de pesquisa utilizado se classifica de natureza aplicada, com abordagem qualitativa, de objetivo exploratório e descritivo, tendo como procedimento técnico a análise bibliográfica. Os resultados da análise permitiram identificar que a inteligência competitiva e a inovação no setor industrial estão relacionadas com os construtos:  aprendizagem, devido a um conjunto de procedimentos para coleta e análise de informação sobre o macro ambiente, que permitiriam à organização um processo de aprendizagem contínuo; capacidades dinâmicas, no conhecimento e as habilidades antes na forma individual e coletiva possuem nível de base para o desenvolvimento de capacidades dinâmicas; no comportamento, da empresa na busca pelo êxito de entrada no mercado de uma indústria de alta tecnologia no mercado interno; no conhecimento, a IC gera conhecimento para a tomada de decisão estratégica, pois a informação que fornece permite obter respostas em tempo real; competitividade, nos produtos; a criatividade no trabalho, feedback em questão de retorno sobre execução de atividades de inteligência; o gerenciamento de risco, inserido na complexidade de negócios, repleto de ameaças provenientes de fontes naturais, políticos, econômicos e técnicos; a informação, como sendo parte do desenvolvimento da inteligência; o marketing, na gestão de marketing que engloba canal de distribuição, promoção, branding, e gestão de informações; a pesquisa e desenvolvimento, a fim de se obter resultados econômicos; a Resource-Based View (RBV) e vantagem competitiva, direcionada ao recurso humano da empresa, sendo estas, abordagens teóricas utilizadas para embasar as pesquisas realizadas no setor industrial em seus diversos segmentos.


Palavras-chave


inovação; inteligência competitiva; análise de conteúdo; indústria; Innovation; Competitive intelligence; Content analysis; Industry

Texto completo:

PDF

Referências


BRODY, R. Issues in defining competitive intelligence: an exploration. Journal of Competitive Intelligence and Management, v. 4, n. 3, Editorial Board, p.3-16, 2008.

CALOF, J. L.; WRIGHT, S. Competitive intelligence: a practitioner, academic and inter-disciplinary perspective, European Journal of Marketing, v. 42, p. 717-730, 2008.

CNI, Confederação Nacional da Indústria. O que a CNI faz. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2013.

DAFT, Richard L. A dual-core model of organizational innovation. Academy of Management Journal, vol. 21, n. 2, p. 193-210, 1978.

ELSERVIER. Scopus. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2013.

FACHIN, O. Fundamentos de metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 200 p.

FAGERBERG, Jan. Innovation: a guide to the literature. In: Jan Fagerberg, David C. Mowery e Richard R. Nelson (Eds.). The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press, p. 1-27, 2005.

FIGUEIREDO, Paulo N. Gestão da inovação: conceitos, métricas e experiências de empresasno Brasil. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004. x, 312 p.

FREEMAN, Christopher. Innovation, changes of techno-economic paradigm and biological analogies in economics. Revue Économique, vol. 42, n. 2, p. 211-231, 1991.

FULD, L. M. The New Competitor Intelligence: the complete resource for finding, analyzing, and using information about your competitors. New York: John Wiley & Sons, Inc. p. 23 - 27. 1994.

GARCIA, T. D. Seminário de Inteligência Competitiva: informação e conhecimento. México: Innestec. p. 21, 1997.

GANESH, U; MIREE; Cynthia, E; PRESCOTT, J. Competitive Intelligence Field Research: Moving the Field forward by setting a Research Agenda. Journal of Competitive Intelligence and Management. v. 1, n. 1, 2003.

IBGE, Indicadores da indústria. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2013.

ISIDRO FILHO, Antonio; GUIMARÃES Tomás de Aquino. Conhecimento, Aprendizagem e Inovação em Organizações: Uma Proposta de Articulação Conceitual. Revista de Administração e Inovação. São Paulo, v. 7, n. 2, p. 127-149, abr./jun. 2010.

LOHMANN, Paola. A inovação do turismo no Brasil: os desafios na construção de sua

trajetória. Observatório de Inovação do Turismo - Revista Acadêmica. vol. VII, n. 2, Rio de Janeiro, Abr. 2012.

MARTINO, J. P. A review of selected recent advances in technological forecasting. Technological Forecasting and Social Change, n. 70, p. 719-733, 2003.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 2005.

PAVITT, Keith. Innovation process. In: Jan Fagerberg, David C. Mowery e Richard R. Nelson (Eds.). The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press, p. 86-114, 2005.

PORTER, M. E. 1980. Competitive strategy: techniques of analyzing industries and competitors. The Free Press: New York NY.

PORTER, A. L.; KONGTHON, A.; LU, J.C. Research Profiling: Improving the literature review. Scientometrics, v. 53, n. 3, p. 351-370, 2002.

RODRIGUES, M. P. Estudo das citações constantes das dissertações de mestrado em ciência da informação do IBICT/UFRJ. 1981. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação), Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.

SCHUMPETER, Joseph A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

STEINER, Carol J. A philosophy for innovation: the role of unconventional individuals in innovation success. Journal of Product Innovation Management, vol. 12, p. 431-440, 1995.

STREHL, L. O Fator de Impacto do ISI e a avaliação da produção científica: aspectos conceituais e metodológicos. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 1, p. 19-27, jan./abr. 2005.

TANEV, Stoyan; BAILETTI, Tony. Competitive intelligence information and innovation in small Canadian firms. European Journal of Marketing. vol. 42 n. 7/8, p. 786-803. 2008.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

UCS - Universidade de Caxias do Sul. Biblioteca Virtual - Bases de Dados. Disponível em:

. Acesso em: 06 out. 2013.

WOLFE, Richard A. Organizational innovation: review, critique and suggested research directions. Journal of Management Studies, v. 31, n. 3, p. 405-431, 1994.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Bookman, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.24883%2Fric.v7i2.215

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: senioreditorial@inteligenciacompetitivarev.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período: