Os processos cognitivos e de criação do conhecimento para tomada de decisão no contexto do big data

Daniela Pedroso da Luz, Luana Folchini da Costa, Vanessa de Campos Machado, Ana Cristina Fachinelli

Resumo


O big data é um fenômeno caracterizado pelo grande volume, velocidade e variedade de dados disponíveis nas redes. Seu valor está associado à transformação dos dados em conhecimento útil para as decisões estratégicas. Por isso, esse artigo trata dos conceitos de big data, criação do conhecimento e tomada de decisão à partir dos processos cognitivos. O valor do big data acontece após a transformação das informações em sentido compartilhado. Desta forma, este artigo examina como os processos cognitivos e de criação do conhecimento se manifestam na tomada de decisões no ambiente do big data. Conclui-se que os processos cognitivos e os processos de criação do conhecimento são necessários para dar significado ao big data e possibilitam a tomada de decisão nas organizações.


Palavras-chave


Big data; Processos cognitivos; Criação do conhecimento; Tomada de decisão

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, G. O. L. et al. A soberania dos dados versus a autonomia do usuário: Big Data, Internet das Coisas e as estratégias afirmativas do anonimato. 2015. 121 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Comunicação. 2015.

ADRIAN, M. It’s going mainstream, and it’s your next opportunity. Disponível em: < http://www.teradatamagazine.com/uploadedfiles/tdmo/v11n01/articles/pdfs/big-data.pdf>. Acesso em: 3 nov. 2016

ALVARENGA NETO, R. C. D.; BARBOSA, R. R.; PEREIRA, H. J. Gestão do conhecimento ou gestão de organizações da era do conhecimento? Um ensaio teórico-prático a partir de intervenções na realidade brasileira. Perspectivas em ciência da informação, v. 12, n. 1, 2007.

ANDRETTA, I. et al. Metacognição e aprendizagem: como se relacionam? PSICO, Porto Alegre, v. 41, n. 1, 2010.

ANTONIUTTI, C. et al. Usos do Big Data em campanhas eleitorais. 271 f. 2015. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia e a Universidade Federal do Rio de Janeiro/Escola de Comunicação, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. 2015.

BECHTEL, W.; ABRAHAMSEN, A.; GRAHAM, G. The life of cognitive science. A Companion to cognitive science. Oxford: Blackwell Publishing Ltda, 1998.

BIESDORF, S.; COURT, D.; WILLMOTT, P. Big data: What’s your plan? McKinsey Quarterly, n.2, p.40 – 41, 2013.

BLUMEN, S. Motivación, sobredotación y talento: un desafío para el éxito. Revista de Psicología (Lima), v. 26, n. 1, 2008.

BRINCK, T.; McDANIEL, S. E. Awareness in Colaborative Systems. A CHI 97 Workshop. In: ACM SIGCHI Bulletin, v.29, n.4, 1997 Acesso em: 06 out. 2016.

BROWN, B.; CHUI, M.; MANYIKA, J. Are you ready for the era of ‘big data’. McKinsey Quarterly, v. 4, n. 1, 2011.

BUCHWALD, A.; RAPP, B. Distinctions between orthographic long-term memory and working memory. Cognitive Neuropsychology, v. 26, n. 8, 2009.

CAPOVILLA, A. G. S.; ASSEF, E. C. S.; COZZA, H. F. P. Avaliação neuropsicológica das funções executivas e relação com desatenção e hiperatividade. Avaliação psicológica, v. 6, n. 1, 2007.

CHEN, M.; MAO, S.; LIU, Y. Big data: a survey. Mobile Networks and Applications, v. 19, n. 2, 2014.

COSTA, L. F. et al. Análise de Processos Mentais Representados em Modelos de Consciência Artificial. Scientia cum Industria. v.1, n.1, 2013.

COURTNEY, M. Puzzling out big data. Engineering & Technology, v. 7, n. 12, p. 56-60, 2012.

DA SILVA, E. R. G. et al. Processamento cognitivo da informação para tomada de decisão. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 1, n. 1, 2011.

DAVACHI, L.; DOBBINS, I. G. Declarative Memory. Current Directions in Psychological Science, v. 17, n. 2, Apr.2008.

DRUCKER, P. F. As novas realidades: no governo e na política, na economia e nas empresas, na sociedade e na visão do mundo. São Paulo: Pioneira, 1991.

EKEMAN, P. Basic Emotions. T. DALGLEISH, T; POWER, T. (Eds.) The Handbook of Cognition and Emotion. p. 45–60. Sussex, U.K.: John Wiley & Sons, Ltda, 1999.

FISHBURN, P. Preference structures and their numerical representations. Theoretical Computer Science, v. 217, n. 2, 1999.

FRANKS, B. Taming the big data tidal wave: Finding opportunities in huge data streams with advanced analytics. John Wiley & Sons, 2012.

GANTZ, J.; REINSEL, D. Extracting value from chaos. IDC iView, v. 1142, n. 2011, p. 1-12, 2011.

GARDNER, H. A nova ciência da mente: uma história da revolução cognitiva. São Paulo, Edusp, 1995.

GROVES, W. et al. Agent-assisted supply chain management: Analysis and lessons learned. Decision Support Systems, v. 57, 2014.

HASELTON, M. G., NETTLE, D.; ANDREWS, P. W. The Evolution of Cognitive Bias. In The Handbook of Evolutionary Psychology (ed D. M. Buss), John Wiley & Sons, Inc., Hoboken, USA. 2015.

JELINEK, M.; BERGEY, P. Innovation as the strategic driver of sustainability: big data knowledge for profit and survival. IEEE Engineering Management Review, v. 41, n. 2, 2013.

KASTRUP, V. A psicologia no contexto das ciências cognitivas. In: JACÓ-VILELA, A. M; FERREIRA, A. A. L; PORTUGAL, F.T. (Orgs.) História da Psicologia: rumos e percursos, p. 215-238. Rio de Janeiro: Nau, 2007.

KAUFMANN, L.; WAGNER, C. M.; CARTER, C. R. Individual modes and patterns of rational and intuitive decision-making by purchasing managers. Journal of Purchasing and Supply Management, v. 23, n. 2, 2017.

LANEY, D. 3D data management: Controlling data volume, velocity and variety. META Group Research Note, v. 6, p. 70, 2001.

LEDOUX, J. Cérebro Emocional: os misteriosos alicerces da vida emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001 LIM, Kevjn. Big Data and Strategic Intelligence. Intelligence and National Security, v. 31, n. 4, 2016.

LIM, K. Big Data and Strategic Intelligence. Intelligence and National Security, v. 31, n. 4, p. 619-635, 2016.

LINARES, V. R. et al . Emoción y Cognición: Implicaciones para el Tratamiento. Terapia Psicologica, Santiago, v. 27, n. 2, p. 227-237, dic. 2009 .

MARTINELLI, S. C.; BARTHOLOMEU, D. Escala de Motivação Acadêmica: uma medida de motivação extrínseca e intrínseca. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 21-31, 2007.

MIGUEL, L. A. P; TEIXEIRA, M. L. M. Valores organizacionais e criação do conhecimento organizacional inovador. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 13, n. 1, 2009.

MILLER, H. Big-Data in Cloud Computing: A Taxonomy of Risks. 2013. Disponível em: < http://sal.muhlenberg.edu:8080/librarydspace/handle/10718/2424>. Acesso em: 3 nov. 2016

MORATO, E. Linguagem e Cognição: as reflexões de L.S. Vygotsky sobre a ação reguladora da linguagem. São Paulo: Plexus, 1996.

MOUSINHO, R. et al . Aquisição e desenvolvimento da linguagem: dificuldades que podem surgir neste percurso. Revista de psicopedagogia, São Paulo , v. 25, n. 78, 2008 .

NESELO, P. FACHINELLI, A. C. BIG DATA: o novo desafio para gestão. Revista Inteligência Competitiva, v. 4, n. 1, 2014.

NEVES, D. A. B. Meta-aprendizagem e Ciência da Informação: uma reflexão sobre o ato de aprender a aprender. Perspectivas em Ciência da Informação. v. 12, n. 3, 2007.

NONAKA, I. A Dynamic Theory of Organizational Knowledge Creation. Organization Science, Japan, v.1, n. 5, p. 14-37, 1994.

NONAKA, I. A empresa criadora de conhecimento. Harvard Business Review, v. 11, 1991.

NONAKA, I.; KONNO, N. The concept of" ba": Building a foundation for knowledge creation. California management review, v. 40, n. 3, p. 43, 1998.

NONAKA, I.; TOYAMA, R. The knowledge-creating theory revisited: knowledge creation as a synthesizing process. Knowledge management research & practice, v. 1, n. 1, 2003.

NONAKA, I.; TOYAMA, R.; KONNO, N. SECI, Ba and leadership: a unified model of dynamic knowledge creation. Long range planning, v. 33, n. 1, p. 5-34, 2000.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 8. Ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PARK, H. W.; LEYDESDORFF, L. Decomposing social and semantic networks in emerging “big data” research. Journal of Informetrics, v. 7, n. 3, 2013.

RICHARDS, J. E. Localizing cortical sources of event‐related potentials in infants’ covert orienting. Developmental science, v. 8, n. 3, p. 255- 278, 2005.

RUS, I.; LINDVALL, M. Knowledge Management in Software Engineering. IEEE Software, [S. l.], v. 19, n. 3, 2002.

RUSSOM, P. et al. Big data analytics. TDWI best practices report, fourth quarter, v. 19, p. 1-40, 2011.

SANTOS, F. H. Funções Executivas. In: ANDRADE, V.M; SANTOS, F.H; BUENO, O. F. A (Orgs.). Neuropsicologia hoje, São Paulo: Artes Médicas, p. 125-135, 2004.

SAVAGE, M.; BURROWS, R. The coming crisis of empirical sociology. Sociology, v. 41, n. 5, p. 885-899, 2007.

SCHACTER, D. L.; BUCKNER, R. L.; KOUTSTAAL, W. Memory, consciousness and neuroimaging. Philosophical Transactions of the Royal Society, v.353, n. 1377, nov., p. 1861- 1878, 1998.

SCHWENK, C. R. Management Illusions and Biases: their impact on strategic Decisions. Long Range Planning, Great Britain, v. 18, n.5, 1985.

SEN, A. K. Rational fools: A critique of the behavioral foundations of economic theory. Philosophy & Public Affairs, 1977.

SHIRI, A. Linked data meets big data: A knowledge organization systems perspective. Advances in Classification Research Online, v. 24, n. 1, 2014.

SILVA, C. D. Um estudo das funções executivas em indivíduos afásicos. Monografia não-publicada, Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, Brasil, 2009.

SILVESTRI, S. Scienze Ambientali: percezione delgi eventi. Fondamenti dele scienze ambientali, v. 14, 2010.

STERNBERG, R. J. Psicologia cognitiva. São Paulo: Cengage Learning, 5ª ed. 2010.

TAFNER, M.; MSC, A. A construção do conhecimento segundo Piaget. 2009. Disponível em: . Acesso: 25 nov. 2016.

TAURION, C. Big Data: nova fronteira em gerenciamento de dados. 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2016.

TEIXEIRA, J. F. Mentes e máquinas: uma introdução à ciência cognitiva. Porto Alegre, Artes Médicas, 1998.

VAN DER HEIJDEN, A. H. C. Attention. In: BECHTEL, W; GRAHAM, G. (Eds.), A companion to cognitive science, p. 121-128. Oxford: Blackwell Publishing Ltda, 1998.

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente incorporada. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VON KROGH, G.; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Facilitando a criação de conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

WALSH, B. Google’s Flu Project Shows the Failings of Big Data. TIME, 2014. Disponível em: < http://time.com/23782/google-flu-trends-big-data-problems/>. Acesso em: 26 nov. 2016.

WRONA, T.; LADWIG, T,; GUNNESCH, M. Socio-cognitive processes in strategy formation – A conceptual framework. European Management Journal, v.31, n. 6, 2013.

YATES, F. J.; ESTIN, P. A. Decision Making. In: BECHTEL, W; GRAHAM, G. (Eds.), A companion to cognitive science. Oxford: Blackwell Publishing Ltda, 1998.

ZENI, T. A., BUCKLEY, M. R., MUMFORD, M. D., GRIFFITH, J. A. Making “sense” of ethical decision making. The Leadership Quarterly, v.27, n.6, p. 838-855, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.24883%2Fric.v8i1.248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período: