A inteligência competitiva a serviço da moda autoral

César Ricardo Maia de Vasconcelos, Felix Patrick Nunes de Mendonça, Salete Natalia de Assis Carneiro, Sarina de Araújo Medeiros

Resumo


O presente artigo se dedicou a analisar a Inteligência Competitiva como prática estratégica nas atividades mercantis da Moda Autoral na cidade de Natal, no estado do Rio Grande do Norte. De abordagem qualitativa, este estudo descritivo e exploratório utilizou-se do sistema de entrevistas face a face para a sua coleta de dados, sendo posteriormente transcritos e explorados sem ajuda eletrônica. Os resultados apontaram que a maioria dos designers, enquanto gestores, utilizam a Inteligência Competitiva como ferramenta para a tomada de decisão na criação dos seus produtos, ao passo que os demais consideram irrelevantes as informações antecipadas. Por fim foram apresentadas as limitações e oportunidades de trabalhos futuros.


Palavras-chave


Inteligência Competitiva; Moda Autoral; Moda Fast Fashion; Moda Slow Fashion

Texto completo:

PDF

Referências


Abdalla, M.M., Oliveira, L.G.L., Azevedo, C.E.F., & Gonzalez, R.K. (2018). Qualidade em Pesquisa Qualitativa Organizacional: tipos de triangulação como alternativa metodológica. Administração: Ensino e Pesquisa, 19, 66-98.

Almeida, F.C., Lesca, H., & Canton, A.W.P. (2016). Intrinsic motivation for knowledge sharing – competitive intelligence process in a telecom company. Journal of Knowledge Management, 20,1282-1301.

Amaral, R.M., Brito, A.G.C., Rocha, K.G.S., Quoniam, L.M., & Faria, L.I.L. (2016). Panorama da inteligência competitiva no Brasil: os pesquisadores e a produção científica na plataforma Lattes. Perspect. ciênc. inf. [online]. 21, 97-120.

Américo, K.N.U. (2015). Compreendendo moda autoral em Fortaleza. Anais, 2, 2015.

Araújo, C.M., Oliveira, M.C.S.L., & Rossato, M. (2017). O sujeito na pesquisa qualitativa: desafios da investigação dos processos de desenvolvimento. Psic.: Teor. e Pesq. 33.

Assis, I.C.S., & GonçalveS, B. D. (2015). A moda como fator de contribuição histórica da sociedade. 1-14.

Azevedo, C.N.S., & Campos, J.L. (2017). Reflexões acerca da autoria no design: notas sobre o nascimento do autor e as origens do direito autoral. Lugar Comum, 49, 150-166.

Camargo, C.W., & Brod, M. (2011). Design de Moda: Ensino de Projeto de Produto Centrado nas Necessidades do Usuário/Consumidor. Revista Moda e Palavra, 4.

Campos, A.Q., & Rech, S.R. (2010). Considerações sobre moda, tendências e consumo. Iara – Revista de Moda, Cultura e Arte, São Paulo, 3, 1-29.

Carvalho, G.M.R., & Tavares, M.S. (2001). Informação & Conhecimento: Uma Abordagem Organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Choo, C.W. (1998). The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. In: Knowing and learning in organizations. 7. New York: Oxford Press, 271-354.

D’Aveni, R. A., Dagnino, G. B., & Smith, K. G. (2010). The Age of Temporary Advantage. Strategic Management Journal, 31, 1371-1385.

Ferronato, P.B., & Franzato, C. (2015). Open Design e Slow Fashion para a Sustentabilidade do Sistema Moda. Ano 9, Edição Especial, 104-115.

Fonseca, N.D. (2013). Ensino da moda: um ensaio sobre processo criativo. v. 6.

Fonseca, V.S., & Machado-da-Silva, C. (2010). Conversação entre abordagens da estratégia em organizaçőes: escolha estratégica, cognição e instituição. Revista de Administração Contemporânea, 14, 51-75.

Garcia, C., & Miranda, A.P. (2007). Moda é Comunicação. 2 ed. São Paulo: Anhembi Morumbi.

Hoffmann, W.A.M. (2011). Monitoramento da informação e inteligência competitiva: realidade organizacional. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., 2, 125-144.

Janissek-Muniz, R., Freitas, H., & LESCA, H. Anticipative and Collective Strategic Intelligence Improving The Organizations’ Adaptation Skills. ANAIS… In: International Conference on Information Systems and Technology Management. 2007.

Jardim, A.C.S., & Pereira, V.S. (2009). Metodologia qualitativa: é possível adequar as técnicas de coleta de dados aos contextos vividos em campo? Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais.

Lima, M.C.C., & Souza, F.P. (2003). Inteligência competitiva como estratégia empresarial em micro e pequenas empresas. Anais em CD ROM do XXIII ENEGEP, Ouro Preto – MG, 21 a 24 de outubro de 2003.

Lucas, A., Café, L.M.A., & Vieira, A.F.G. (2016). Inteligência de negócios e inteligência competitiva na ciência da informação brasileira: contribuições para uma análise terminológica. Perspectivas em ciência da informação, 21, 168-187.

MarciaL, E. (2012). Os desafios do profissional de inteligência: uma atividade em evolução. In: STAREC, C. (Org.). Gestão da informação, inovação e inteligência competitiva: como transformar a informação em vantagem competitiva nas organizações. São Paulo: Saraiva. cap. 8. p. 141-163.

Marques, L.K.S., & VidigaL, F. (2018). Prosumers e redes sociais como fontes de informação mercadológica: uma análise sob a perspectiva da inteligência competitiva em empresas brasileiras. Transinformação, 30, 1-14.

Mezabarba, S.R., & Goidanich, M.E. (2014). Fast Fashion X Slow Fashion: consumidoras, vestuário e diferentes critérios de escolha. 10º COLÓQUIO DE MODA, 2014.

Mourão, G.A.S.E. (2018). Uma reflexão sobre a relação entre a moda autoral e o artesanato em Fortaleza. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza,1-21.

Noronha, J.V. (2017). Moda Autoral: pela compreensão de um modo de fazer (roupas).

Nunes, D. (2009). Crise climática global e mudança de comportamento de consumo nas IES brasileiras: testando novas tecnologias sociais. Eco desenvolvimento, 1-12.

Oliveira, P.H., Gonçalves, C.A., & Paula, E.A.M. (2013). A Visão Baseada em Recursos da Inteligência Competitiva. Revista de Ciências da Administração, 141-151.

Osterloh, M., & Frey, B.S. (2000). Motivation, Knowledge Transfer, and Organizational Forms. Organization Science. 11, 538-550.

Pinheiro, R., Araújo, B.J.R., Lopes, D.M., & Silva, N.O. (2015). Quem consome moda autoral? Um estudo sobre os consumidores de fortaleza.

Proetti, S. (2018). Metodologia do trabalho cientifico. 5. ed. São Paulo: Edicon.

RothberG, H.N., & Erickson, G.S. (2017). Big data systems: knowledge transfer or intelligence insights? Journal of Knowledge Management, 21, 92-112.

Salomon, G.S.T. (2009). Moda e alteridade: Moda autoral e a apropriação da criação do outro. Revista Moda e Palavra, 2.

Santos, C.F. (2017). Uma abordagem sobre pesquisa qualitativa. Revista Facthus de Administração e Gestão, 1.

Shimamura, E., & Sanches, M.C.F. (2012). O Fast Fashion e a identidade de marca. Projética Londrina, 3.

Silva, A.C.S. (2017). Moda, transferências culturais e história do livro. Revista Dobras, 10.

Silva, E., Bassetto, C.L., Ottonicar, S.L.C., & Yafushi, C.A.P. (2016). O Processo de Inteligência Competitiva e sua Relação com Indicadores de Inovação e Competência em Informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6, 240-252.

Silva, P.N., & Muylder, C.F. (2015). Inteligência competitiva e cooperação na percepção dos atores do arranjo produtivo local de software da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Perspectivas em Ciência da Informação, 20, 134-157.

Silverman, D. (2009). Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, texto e interações. Artmed, Ed. 3, Cap. 3, 95-120.

Simmel, G. (2008). Filosofia da Moda e outros escritos. v. 1 ed. Lisboa: Texto & Grafia.

Spiegel, T., & Caulliraux, H.M. (2016). Efeitos da experiência no processo decisório: uma investigação a partir dos elementos da cognição. Revista interdisciplinar de estudos cognitivos. 21.

Sun Tzu. (1993). A arte da guerra. - 14a ed. - Rio de Janeiro: Record.

Tao, Q., & Prescott, J.E. (2000). China: Competitive intelligence practices in an emerging market environment. Competitive Intelligence Review, 11, 65-78.

Teixeira, R.C., & Souza, C. (2017). Evolução da inteligência competitiva com base em estudo métrico de sua literatura. Perspectivas em Ciência da Informação, 22, 170-185.

Teixeira, T.M.C., & Valentim, M.L.P. (2016). Inteligência Competitiva Organizacional: Um Estudo Teórico. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6, 3-15.

Travassos, B.S., & Queiroz, C.T.M. (2017). O uso do branding como estratégia de diferenciação para marcas de moda autoral de Fortaleza-CE: um estudo de caso da marca AHAZANDO. Fortaleza, 1-12.

Wright, S., & Calof, J.L. (2006). The quest for competitive, business and marketing intelligence: A country comparison of current practices, European Journal of Marketing, 40 453-465.

Zutter, N.J., Frisoni, B.C., & Brelotto, L.I. Desenvolvimento de uma marca de vestuário com design autoral, voltada ao consumo consciente, através do sistema produtivo slow fashion. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.24883%2Fric.v9i2.321

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período: