O PROCESSO DE GESTÃO DE PESSOAS COMO FERRAMENTA INOVADORA PARA O ENFRENTAMENTO DA SÍNDROME DE BURNOUT

Karla Cristina Rocha Ribeiro

Resumo


O objetivo do presente trabalho é discutir de que maneira a gestão de pessoas pode ser utilizada como uma ferramenta inovadora pelas empresas no cenário da síndrome de burnout. Esta síndrome se caracteriza pelo adoecimento físico e mental do trabalhador, o que acarreta muitas vezes o absenteísmo, baixa produtividade e clima organizacional doente, pois a quebra de vínculos e baixo desempenho fazem parte deste processo. Assim, pensar em formas de minimizar o sofrimento no contexto do trabalho torna-se uma tarefa importante para as empresas na promoção de saúde e também de responsabilidade quanto ao contexto geral da sua relação com a sociedade.  Trata-se de um artigo de revisão de literatura com base na psicologia e teoria geral da administração. Com base nesta reflexão esperamos construir alguns parâmetros em estratégias de gestão de pessoas capazes de minimizar o impacto da síndrome de burnout em trabalhadores dos mais variados tipos de organizações.

 


Palavras-chave


síndrome de burnout; gestão de pessoas; gestão estratégica; organização

Texto completo:

PDF

Referências


Arches, J. (1991). Social Structure, Burnout, and Job Satisfaction. Social Work, 36, 202-206.

Arthur, M. B., & Rousseau, D. M. (1996). Introduction: the boundaryless career as a new employment principle. In M. B. Arthur & D. M. Rousseau (Eds.), The boundaryless career: a new employment principle for a new organizational era (pp. 3-20). New York: Oxford University Press.

Barbosa, Rosa Maria de S. Albuquerque & Guimarães, Tomás de Aquino.(2005). Síndrome de Burnout: Relações com comprometimento afetivo entre gestores de organização estatal. Revista de administração Mackenzie; Ano 6, n.1, p. 157-179, janeiro.

Bryne, B. M. (1993). The Maslach Burnout Inventory: Testing factorial validity and invariance across elementar, intermediate and secondary teachers. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 66, 3, p. 197-213.

Carlotto, Mary Sandra & Gobbi, Maria Dolores.(1999) Síndrome de Burnout: um problema do indivíduo ou do seu contexto de trabalho? p.103-114; Julho/dezembro.

Cherniss, C. Professional burnout in human servisse organizations.(1992). New York: Praeger, 1980. Long-term consequences of burnout: An exploratory study. Journal of Organizational Behavior, 13, p. 111.

CHIAVENATO, I.(2014). Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Barueri: Manole.

Clark, P & Staunton, N. (1989). Innovation in technology and organization. Routledge.

Codo, Wanderley & Menezes, Iône Vasques.(2000). O que é Burnout? Capitulo 13, Educação: carinho e trabalho; Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar a falência da educação; 2ª edição; Edidotira Vozes.

Kaufman, B. E. (2008). Managing the human factor: the early years of human resource management in american industry. Ithaca - NY: Cornell University Press.

Loiola, E.; Bastos, A. V.B.; Teixeira, J. C. de A. (2003). A adoção de práticas inovadoras de organização e produção no Brasil. In: Simpósio de engenharia de produção – SIMPEP, 10., 2003, Bauru. Anais… Bauru: FEB – UNESP.

Maslach, C.; Leiter, M.P. (1997) Trabalho: fonte de prazer ou desgaste. Papirus, Campinas.

Moreira, D. A. et al. (2016). Estratégias de organização e fortalecimento do trabalho da enfermagem na equipe de saúde da família. R. Enferm. Cent. O. Min., v. 1, n. 6, p. 2106-2118.

Perlman, B. & Hartman, A. E. (1982). Burnout: sumary and future research. Human Relations, [S.l.], p. 283-305.

Rodrigues, L. Pereira, S. & Borges, J. (2001). Gestão de pessoas e o enfoque nos papéis profissionais: um estudo de caso com os bibliotecários de uma universidade pública federal brasileira.Conocimiento, innovación y empreendedores: caminho al futuro.

Silveira, V.& Miranda, D.(2011) Gestão Estratégica de Pessoas E Desempenho Organizacional: Uma Análise Teórica De Suas Relações E Configurações.EANPAD, Rio de Janeiro.

Schaufelli, W. & Bunk, B.P. (1996). Profesional burnout in M. Handbook of work and health psychology (p.311-346). New York, John Wiley and sons.

Tamayo Mauricio Robayo & Tróccoli, Bartholomeu Tôrres. (2002). Exaustão emocional: relações com a percepção de suporte organizacional e com as estratégias de coping no trabalho. Universidade de Brasília – Estudos de Psico.

Weick, K. E. (1996). Enactment and the boundaryless career: organizing as we work. In M. B. Arthur & D. M. Rousseau (Eds.), The boundaryless career: a new employment principle for a new organizational era (pp. 40-57). New York: Oxford University Press.




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v9i4.356

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período