MODELO CONCEITUAL DOS FLUXOS INFORMACIONAIS, IDENTIFICAÇÃO DE TIPOS DOCUMENTAIS E AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS COMO GERADOR DE COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO

Natália Marinho Do Nascimento, María Manuela Moro Cabero, Marta Lígia Pomim Valentim

Resumo


Com ambientes organizacionais cada vez mais competitivos e complexos lidar com os documentos, informações e conhecimentos independentemente do suporte em que eles estejam, torna-se essencial, pois evidencia a maturidade da organização no que tange a importância que ela designa para estes fenômenos, tendo em vista que uma vez que as informações e conhecimentos estejam estruturados e materializados em documentos podem ser utilizados para auxiliar na obtenção de competitividade e na geração de inovação. Portanto, analisar os fluxos informacionais, a identificação de tipos documentais e a avaliação de documentos como geradores de competitividade e inovação em ambientes organizacionais se constitui no objetivo deste artigo. Como procedimentos metodológicos destaca-se a pesquisa como descritiva-exploratória de natureza qualitativa, cujo método aplicado a uma empresa do ramo de saúde e medicina do trabalho da cidade de Marília foi a Metodologia Sistêmica Soft e as técnicas de coleta de dados consistiu-se na observação direta e indireta, bem como, aplicação de questionários, reuniões e entrevistas. Como resultado evidencia-se a validação de um modelo conceitual que apresenta a inter-relação entre esses elementos e sua dinâmica relacionada ao processo decisório em contextos organizacionais auxiliando na competitividade bem como na geração de inovação que é a busca constante das organizações.


Palavras-chave


Fluxos informacionais; Identificação de tipos documentais; Avaliação de documentos; Competitividade; Inovação

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas (2018). Informação e documentação – Gestão de documentos de arquivo – Parte 1: Conceitos e princípios. ABNT NBR ISSO 15489-1.

Bertalanffy, L. V. (1976). Teoria geral dos sistemas. Rio De Janeiro: Editora FGV.

Bueno, D. A. Mapeamento de fluxos documentais como elemento de identificação arquivística no âmbito da gestão de documentos. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Arte e Comunicação Social, 2013, 139p.

Carvalho, K. (2001). Disseminação da informação e informação e informação de inteligência organizacional. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, 2(3).

Cermeno – Martorell, L. & Rivas Palá, E. (2012). Valoración y selección de documentos. In Cruz – Mundet, J. R. (Org.), Administración de documentos y archivos: textos fundamentales (pp. 215-271). Madrid: Coordinadora de Asociaciones de Archiveros y Gestores de Documentos de España.

Checkland, P. (1985). Achieving 'desirable and feasible' change: an application of soft systems methodology. Journal of the Operational Research Society, 9, 821-831.

Checkland, P. (1981). Systems thinking, systems practice. Chichester: Wiley.

Cumming, K. (2010). Ways of seeing: Contextualising the continuum. Records Management Journal, 10(1), 41-52.

Cunha, M. B. da & Cavalcanti, C. R. (2008). O. Dicionário de biblioteconomia e arquivologia. Brasília: Brinquet de Lemos.

Heredia Herrera, A. (2011). Lenguaje y vocabulário archivístico: algo más que un dicionário. Junta de Andalucía; Consejería de Cultura.

International Standards Organization (2018). Information and documentation – Appraisal for records. ISO/TR 21946.

International Standards Organization (2014). Information and documentation – Risk assessment for records processes and systems. ISO/TR 18128.

International Standards Organization (2011). Information and documentation – Management systems for records. ISO/TR 30300.

International Standards Organization (2008). Information and documentation – Work process analysis for records. ISO/TR 26122.

Lopez, A. P. A. (1999). Tipologia documental de partidos e associações políticas brasileiras. São Paulo: Loyola.

Medeiros, F. J. F. de. [s.d.]. Porque utilizar a inteligência competitiva? Brasília: ABRAIC.

Mendo Carmona, C. (2004). Consideraciones sobre el método archivístico. Documenta & Instrumenta, 1, 24-35.

Nascimento, N. M. do. (2019). Inter-relação entre os fluxos informacionais, a identificação de tipos documentais e a avaliação de documentos: um modelo processual para a Salutar de Marília. Marília: Unesp, 189f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Campus de Marília, Marília, 2019.

Ottonicar, S. L. C., Nascimento, N. M. do & Bassetto, C. L. (2018). O comportamento informacional e a competência em informação: uma abordagem para geração de inovação em micro e pequenas empresas. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 23(52), 18-33.

Porter, M. E. (2004). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Prescott, J. E. (1999). The evolution of competitive inteligence: designing a process for action. Proposal Management, Spring, 37-52.

Rodrigues, A. C. (2013). Identificação como requisito metodológico para a gestão de documentos e acesso a informações na administração pública brasileira. Ciência da Informação, Brasília, 42(1), 64-80.

Rodrigues, A. C. (2008). Diplomática contemporânea como fundamento metodológico da identificação de tipologia documental em arquivos. 258f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2008.

Valentim, M. L. P. & Silva, E. (2017). Prospecção e monitoramento informacional em contextos de inovação. In Barbalho, C. R. S., Pereira, S. A. & Marquez, S. O. M. (Org.), Gestão da Inovação: abordagem teórico-prático na Amazônia (pp. 13-30). Manaus: EDUA.

Valentim, M. L. P. (2010). Ambientes e fluxos de informação. In Valentim, M. L. P. (Org.), Ambientes e fluxos de informação (pp. 13-22). São Paulo: Polis: Cultura Acadêmica.

Valentim, M. L. P. (2003). Processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, Rio de Janeiro, 4(3), 1-24.




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v9i4.361

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período