INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL BRASILEIRO

Adalberto Escalona Gonçalves Garcia

Resumo


Este trabalho tem como objetivos descrever o atual estágio de aplicação do ciclo de Inteligência Competitiva (IC) nas organizações brasileiras de médio e grande porte, com base na opinião de especialistas do setor, e destacar eventos internos das organizações capazes de influenciar negativamente o desenvolvimento da atividade. Para a sua consecução, além da revisão de literatura, coletaram-se dados mediante a realização de entrevistas em profundidade; visando à triangulação de informações, realizaram-se buscas em estudos de natureza semelhante. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que empregou como técnica de exame dos dados a análise de conteúdo. As evidências sugerem a ocorrência de falhas em todas as etapas do ciclo de IC, o que indica a existência de um longo caminho a ser percorrido para o aperfeiçoamento das práticas relacionadas à atividade. Considera-se que a IC, mediante o adequado desenvolvimento das atividades estabelecidas em suas fases, age no sentido de favorecer a percepção da mudança (sensing) e de fornecer a inteligência necessária à apropriação do conhecimento que servirá de base para a ação (seizing), contribuindo, assim, para a renovação continuada do negócio (transforming).

Palavras-chave: competição; inteligência competitiva; inteligência de mercado.


Palavras-chave


Competição; Inteligência Competitiva; Inteligência de Mercado

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Trad. L. A. Reto e A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2009.

BARNEY, J. B. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BUZZERIO, F. G.; MARCONDES, R. C. A Inteligência Competitiva na Perspectiva de ser uma Fonte de Vantagem Competitiva e Suas Contribuições Estratégicas. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 40, p. 235-249, 2014.

CALOF, J.; WRIGHT, S. Competitive Intelligence: A Practitioner, Academic and Inter-disciplinary Perspective. European Journal of Marketing, v. 42, n. 7/8, p. 717-730, 2008.

CAVALCANTI, E. P. The Relationship between Business Intelligence and Business Success. Journal of Competitive Intelligence and Management, v. 3, n. 1, 2005.

CAMPELLI, M. G. R. et al. Perspectivas da Inteligência Competitiva no Brasil. XXXIX Congresso Brasileiro de Educação em Engenharias – COBENGE 2011, Blumenau/SC, 2011.

CHOO, C. W. Information Management for The Intelligent Organization. American Society for Information Science and Technology. Medford, New Jersey, 2002.

COLVIN, G. The 21st Century Corporation: Every Aspect of Your Business is About to Change. Fortune, p. 39-47, Nov. 2015.

COUTO ROSA, M. V. de F. P.; ARNOLDI, M. A. G. C. A Entrevista na Pesquisa Qualitativa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2006.

DAVENPORT, T. H.; KIM, J. Keeping Up with the Quants: Your Guide to Understanding and Using Analytics. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Publishing Corporation, 2013.

DISHMAN, P. L.; CALOF, J. L. Competitive Intelligence: A Multiphasic Precedent to Marketing Strategy. European Journal of Marketing, v. 42, n. 7/8, p. 766-785, 2008.

EISENHARDT, K.; MARTIN, J. Dynamic capabilities: What are they? Strategic Management Journal, v. 21, p. 1.105-1.121, 2000.

FLECK, Denise de L. The Dynamics of Corporate Growth. Tese de Doutorado. McGill University. Faculty of Management. Montreal. Canadá. 2001.

FLECK, D. de L. Archetypes of Organizational Success and Failure. Brazilian Administration Review, v. 6, n. 2, Apr./June 2009.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasília/DF: Líber Livro, 2007.

FULD, L. M. Inteligência Competitiva: Como se Manter à Frente dos Movimentos da Concorrência e do Mercado. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

GILAD, B. The Role of Organized Competitive Intelligence in Corporate Strategy. Columbia Journal of World Business, v. 24, n. 4, p. 29-36, 1989.

GOMES, E.; BRAGA, F. Inteligência Competitiva: Como Transformar Informação em um Negócio Lucrativo. São Paulo: Elsevier, 2004.

HANNULA, M.; PIRTTIMÄKI, V. Business Intelligence: Empirical Study on the top 50 Finnish Companies. The Journal of American Academy of Business, v. 2, n. 2, p. 593-599, 2003.

HENNEMAN, H. G. Comparisons of Self and Superior Ratings. Journal of Applied Psychology, v. 59, n. 5, p. 638-642, 1974.

IOIA, M. The New Rules of Competitive Intelligence. Middletown, Delaware: Xlibris, 2014.

JAKOBIAK, F. Pratique de la Veille Technologique. Paris: Ed. d’Organisation, 1991.

JIN, T.; BOUTHILLIER, F. What Do Competitive Intelligence Professionals Do? A Pilot Study. Working Paper, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2015.

KAHANER, L. Competitive Intelligence: How to Gather, Analyze, and Use Information to Move Your Business to the Top. New York: Touchstone, 1997.

LAACKMAN, C.; SABAN, K.; LANASA, J. Organizing the Competitive Intelligence Function – Benchmark. Competitive Intelligence Review, v. 11, n. 1, p. 17-27, 2000.

LEAVITT, P. et al. Competitive Intelligence: A Guide for Your Journey to Best Practice Processes. Texas. American Productivity & Quality Centre, 2004.

MAYER-SCHÖNBERGER, V.; CUKIER, K. Big Data: A Revolution That Will Transform How We Live, Work and Think. New York: Harcourt Publishing Company, 2013.

MILLER, J. P. O Processo de Inteligência: como Funciona, Seus Benefícios e Sua Situação Atual. In: MILLER, J. P. O Milênio da Inteligência Competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002. p. 31-44.

NIKOLAOS, T.; EVANGELIA, F. Competitive Intelligence: Concept, Context and Case of its Application. Science Journal of Business Management, v. 2, p. 1-15, 2012.

PASSOS, A. Inteligência Competitiva: Como Fazer IC Acontecer na Sua Empresa. São Paulo: LCTE Editora, 2005.

PIRTILLA, A. Organizing Competitive Intelligence Activities in a Corporate Organization. Aslib Proceedings, n. 50, v. 4, p. 79-84, 1998.

PORTER, M. Competitive Strategy. NY: Free Press, 1980.

___. The Five Competitive Forces That Shape Strategy. Harvard Business Review, p. 78-93, Jan. 2008.

PORTER, M.; HEPPELMANN, J. How Smart, Connected Products Are Transforming Competition. Harvard Business Review, p. 65-88, Nov. 2014.

PORTER, M.; HEPPELMANN, J. How Smart, Connected Products are Transforming Companies. Harvard Business Review, p. 64-83, Oct. 2015.

PRESCOTT, J. E. The Evolution of Competitive Intelligence: Designing a Process for Action. Journal of The Association of Proposal Management Professionals, p. 37-52, 1999.

QIU, T. Scanning for Competitive Intelligence: a Managerial Perspective. European Journal of Marketing, v. 42, n. 7/8, p. 814-835, 2008.

RANGEL, L. C. A Sofisticação da Atividade de Inteligência Competitiva no Brasil: um Estudo Exploratório. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Coppead de Administração, Rio de Janeiro, Brasil, 2006.

REINMOELLER, P.; ANSARI, S. The Persistence of a Stigmatized Practice: A Study of Competitive Intelligence. British Journal of Management, v. 27, n. 1, p. 116-142, 2016.

RIFKIN, J. The Zero Marginal Cost Society: The Internet of Things, the Collaborative Commons, and the Eclipse of Capitalism. New York: Palgrave Macmillar, 2014.

RODRIGUES, L. C.; SIERRA, J. C. V.; RECHZIEGEL, W. Maturidade Organizacional em Inteligência Competitiva – O Caso de uma Instituição Financeira Brasileira. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 38, p. 126-139, 2014.

SCIP Brasil. Strategic and Competitive Intelligence Professionals: Brasil 2015-2016. São Paulo/SP: SCIP Brasil, 2016.

SHARP, S. Competitive Intelligence Advantage: How to Minimize Risk, Avoid Surprises, and Grow Your Business in a Changing World. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc., 2009.

SPICER, J. From Data to Disruption: Innovation Through Digital Intelligence. Harvard Business Review Analytic Services Report, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

TEECE, D. J. Dynamic Capabilities: Routines versus Entrepreneurial Action. Journal of Management Studies, v. 49, n. 8, p. 1.395-1.401, 2012.

ULLRICH, D. R.; OLIVEIRA, J. S.; BASSO, K.; VISENTINI, M. S. Reflexões Teóricas sobre Confiabilidade e Validade em Pesquisas Qualitativas: em Direção à Reflexividade Analítica. Análise, v. 23, n. 1, p. 19-30, 2012.

VIDIGAL, F.; NASSIF, M. E. Inteligência Competitiva: Metodologias Aplicadas em Empresas Brasileiras. Informação, v. 17, n. 1, p. 93-119, 2012.

WRIGHT, S.; CALOF, J. L. The Quest for Competitive, Business and Marketing Intelligence: A Country Comparison of Current Practices. European Journal of Marketing, v. 40, n. 5/6, p. 453-465, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v8i1.250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesCRASPDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período