Gênero e imprensa internacional: um relatório sobre a representação de atletas nos Jogos Olímpicos Rio-2016

Rafael Marques Garcia, Erik Giuseppe Barbosa Pereira

Resumo


As pesquisas referentes à visibilidade feminina na mídia são escassas e o espaço destinado ao esporte masculino se sobressai ante ao feminino. As agências de notícias, que alimentam tal mídia, e que foram responsáveis pela cobertura dos Jogos Olímpicos realizados na cidade do Rio de Janeiro em 2016 não retrataram somente desempenhos e resultados esportivos, mas também como homens e mulheres na esfera atlética e profissional são expostos pelas matérias jornalísticas. À luz das hierarquias de gênero, o objetivo do nosso estudo foi analisar as imagens exibidas nas principais agências de notícias, mais precisamente, como retrataram as imagens de atletas masculinos e femininos. Para tanto, utilizamos os métodos descritivo e qualitativo e a técnica de análise de imagens. Os resultados apontam tratamentos ainda diferenciados para homens e mulheres, estas em detrimento desses, consolidando as desigualdades nas representações de gênero pelas lentes da mídia esportiva internacional. Conclui-se que tais agências vinculadas ao esporte reproduzem ou ratificam binarismos e sexismos hegemonicamente enraizados nas sociedades contemporâneas.


Palavras-chave


Gênero; Esporte; Mídia

Texto completo:

PDF

Referências


AGENCE FRANCE-PRESSE. Quem somos. Disponível em , acesso em 27. Nov. 2016.

CBN. Jogos do Rio são o de maior número de atletas LGBT na História. 2016. Disponível em , acesso em 27. Nov. 2016.

EL PAÍS. Rio 2016 se transforma na Olimpíada mais gay da história. 2016. Disponível em , acesso em 27. Nov. 2016.

GLOBO.COM. Olimpíada e diversidade: Rio 2016 têm de beijo gay a pedido de casamento. 2016. Disponível em , acesso em 27. Nov. 2016.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 1996.

KLEIN, Jonathan. Getty Images: Where We Stand. Disponível em , acesso em 27. Nov. 2016.

MARTINS, Leonardo Tavares; MORAES, Laura. O futebol feminino e sua inserção na mídia: a diferença que faz uma medalha de prata. Pensar a Prática, Goiânia, v. 1, n. 10, p. 69-81, jan./jun. 2007.

MILOSEVICH, Mira. World Press Trends 2015. 2015.

MUHLEN, J.C.V. Esporte e Mídia: Representações de gênero para atletas no Pan-Americano Rio 2007. In: Seminário Corpo, Gênero e Sexualidade. Composições e desafios à formação docente. FURG, 06-08 mai. 2009. Disponível em , acesso em: 21 Ago. 2016.

MUHLEN, J. C. V. Musos e musas: a beleza dos atletas "rouba a cena" nos Jogos Olímpicos de Pequim. In: FAZENDO GÊNERO, 9. Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2016.

PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa; PONTES, Vanessa Silva; RIBEIRO, Carlos Henrique Vasconcelos. Jogos Olímpicos de Londres 2012: brasileiros e brasileiras em foco. Revista da Educação física (UEM. Online), v. 25, p. 257, 2014.

SABO, Donald. O estudo crítico das masculinidades. In: Adelman, M.; Silvestrin, C.B. (Orgs.) Coletânea Gênero Plural. Curitiba: Ed. UFPR. 2002. 254 p.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: Uma teoria social da mídia. 13ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.24883/ric.v8i2.258

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



 Atelier Brasil
Rua Pe. Guilherme Pompeu, 01, Centro
06501-055, Santana de Parnaíba, São Paulo, Brazil
(e-ISSN 2236-210X – DOI 10.24883)

Contato institucional: profdrpassos@gmail.com.br



  Indexadores e Diretórios                    
             


SitesCRASPDOMÍNIO PÚBLICO CAPES l IAFIE l SCIP l IAFIE l USP l FMU  l ABRAIC SEER/IBICT  l ISSN l EventosANPAD l NormasABNT

 

                                                                              Visualização no Brasil e no Mundo por localização e período